Páginas

sexta-feira, 13 de janeiro de 2017

O ponto


Quero aprender a fazer panquecas. Sério. O caminho para chegar até elas, por dentro da mistura da farinha e dos ovos, é um mistério.
O tal do ponto da massa.
Na massa de bolinhos de chuva também tem ele.
E na bala de coco? Vixe, esse aí é o ponto mais misterioso da cozinha, tal como o creme brulê...
No crochê eu já desisti. Ou fica apertado ou fica frouxo.
O tal do ponto.
Fazer malhas com as mãos é trabalho de habilidade e muita paciência.
Tentei fazer um pano com ponto cruz, dizem ser facinho. É?!
O tal do ponto.
Ele está sempre ali a te dizer: "Está errado!"
Certa vez, fui dar aulas, trabalhar leitura com adolescentes. 9 turmas, quase 300 alunos. Ensinei demais, lemos demais, pesquisamos demais.
Passei do ponto.
Ainda aqui. Amadurecendo. Aprendendo. Rejuvenescendo. Sentindo.
De amor e afetos, chegando a algum ponto.
De errar e acertar, a que ponto cheguei?
O caminho nas letras é que
deu ponto. (parece!)

Nenhum comentário:

Postar um comentário