Páginas

quinta-feira, 28 de agosto de 2008

Sobre muitos, sobre um

Sobre muitos, sobre um

Um qualquer,
num qual que nada,
nunca teu hoje e ontem
embora em meio e no fim.

Se lá suas outras, depois de tudo, ainda por ele.
Para tanto, o cujo que no todo ou parte,
já sempre assim, pouco.
Apenas tampouco.

Como? Aquele? Aquilo?
Nada um!
Aqui, algum.
Até uma vez mais...
mas ausente enquanto
da gente, dos outros e daqueles.
Pra quem tudo sempre.

Assim, através sem além.
Ela agora do tempo jamais.
Até, ao longo.
Já é amanhã.

regina vilarinhos

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Poema de Affonso Romano de Sant´ana

Os homens amam a guerra
Affonso Romano de Sant´ana


Os homens amam a guerra. Por isso
se armam festivos em coro e cores
para o dúbio esporte da morte.

Amam e não disfarçam.
Alardeiam esse amor nas praças,
criam manuais e escolas,
alçando bandeiras e recolhendo caixões,
entoando slogans e sepultando canções.

Os homens amam a guerra. Mas não a amam
só com a coragem do atleta
e a empáfia militar, mas com a piedosa
voz do sacerdote, que antes do combate
serve a hóstia da morte.

Foi assim na Criméia e Tróia,
na Eritréia e Angola,
na Mongólia e Argélia,
no Saara e agora.

Os homens amam a guerra
E mal suportam a paz.

Os homens amam a guerra,
portanto,
não há perigo de paz.

Os homens amam a guerra, profana
ou santa, tanto faz.

Os homens têm a guerra como amante,
embora esposem a paz.

E que arroubos, meu Deus! nesse encontro voraz!
que prazeres! que uivos! que ais!
que sublimes perversões urdidas
na mortalha dos lençóis, lambuzando
a cama ou campo de batalha.

Durante séculos pensei
que a guerra fosse o desvio
e a paz a rota. Enganei-me. São paralelas
margens de um mesmo rio, a mão e a luva,
o pé e a bota. Mais que gêmeas
são xifópagas, par e ímpar, sorte e azar
são o ouroboro- cobra circular
eternamente a nos devorar.

A guerra não é um entreato.
É parte do espetáculo. E não é tragédia apenas
é comédia, real ou popular,
é algo melhor que circo:
-é onde o alegre trapezista
vestido de kamikase
salta sem rede e suporte,
quebram-se todos os pratos
e o contorcionista se parte
no kamasutra da morte.

A guerra não é o avesso da paz.
É seu berço e seio complementar.
E o horror não é o inverso do belo
-é seu par. Os homens amam o belo
mas gostam do horror na arte. O horror
não é escuro, é a contraparte da luz.
Lúcifer é Lubel, brilha como Gabriel
e o terror seduz.
Nada mais sedutor
que Cristo morto na cruz.

Portanto, a guerra não é só missa
que oficia o padre, ciência
que alucina o sábio, esporte
que fascina o forte. A guerra é arte.
E com o ardor dos vanguardistas
frequentamos a bienal do horror
e inauguramos a Bauhaus da morte.

Por isso, em cima da carniça não há urubu,
chacais, abutres, hienas.
Há lindas garças de alumínio, serenas,
num eletrônico balé.

Talvez fosse a dança da morte, patética.
Não é . É apenas outra lição de estética.
Daí que os soldados modernos
são como médico e engenheiro
e nenhum ministro da guerra
usa roupa de açougueiro.

Guerra é guerra!
dizia o invasor violento
violentando a freira no convento
Guerra é guerra!
dizia a estátua do almirante
com a boca de cimento.
Guerra é guerra!
dizemos no radar
desgustando o inimigo
ao norte do paladar.

Não é preciso disfarçar
o amor à guerra, com história de amor à pátria
e defesa do lar. Amamos a guerra
e a paz, em bigamia exemplar.
Eu, poeta moderno ou o eterno Baudelaire
eu e você, hypocrite lecteur,
mon semblable, mon frère.
Queremos a batalha, aviões em chamas
navios afundando, o espetacular confronto.

De manhã abrimos vísceras de peixes
com a ponta das baionetas
e ao som da culinária trombeta
enfiamos adagas em nossos porcos
e requintamos de medalha
-os mortos sobre a mesa.

Se possível, a carne limpa, sem sangue.
Que o míssil silente lançado à distância
não respingue em nossa roupa.
Mas se for preciso um banho de sangue
-como dizia Terêncio:-sou humano
e nada do que é humano me é estranho.

A morte e a guerra
não mais me pegam ao acaso.
Inscrevo sua dupla efígie na pedra
como se o dado de minha sorte
já não rolasse ao azar,
como se passasse do branco
ao preto e ao branco retornasse
sem nunca me sombrear.
Que venha a guerra! Cruel. Total.
O atômico clarim e a gênese do fim.
Cauto, como convém aos sábios,
primeiro bradarei contra esse fato.
Mas, voraz como convém à espécie,
ao ver que invadem meus quintais,
das folhas da bananeira inventarei
a ideológica bandeira e explodirei
o corpo do inimigo antes que ataque.
E se ele não atirar primeiro, aproveito
seu descuido de homem fraco, invado sua casa
realizando minha fome milenar de canibal
rugindo sob a máscara de homem.

-Terrível é o teu discurso, poeta!
Escuto alguém falar.
Terrível o foi elaborar.
Agora me sinto livre.
A morte e a guerra
já não podem me alarmar.
Como Édipo perplexo
decifrei-a em minhas vísceras
antes que a dúbia esfinge
pudesse me devorar.

Nem cínico nem triste. Animal
humano, vou em marcha, danças, preces
para o grande carnaval.
Soldado, penitente, poeta
-a paz e a guerra, a vida e a morte
me aguardam
- num atômico funeral.

-Acabará a espécie humana sobre a Terra?
Não. Hão de sobrar um novo Adão e Eva
a refazer o amor, e dois irmão:
-Caim e Abel
-a reinventar a guerra.


Bem atual em face às Olimpíadas e a Guerra da Geórgia

quarta-feira, 20 de agosto de 2008

O que eu desejo para você, sempre!

Que em todos os dias de sua vida, Deus te mostre o desabrochar de muitas flores, o canto de muitos pássaros e a renovação de muitas vidas dentro de você!
Desperte com a primeira impressão de vida que te cercar, encha de luz o teu quarto e sala do coração, cante junto com o galo que vês da janela de tua existência.
Faça um incêndio para dissipar as nuvens que quiserem se juntar n´alma. Junte a saudade que sentes dos dias passados, dos anos não possuídos, e abrigue-a dentro de vidros coloridos, para usá-la em momentos reservados.
Possua a poesia do sol, do vento, da chuva, do frio, do sorriso, da lágrima, do forte e do fraco. Ela se torna tua propriedade particular para que distribuas de acordo com a música de teu coração.
Para o mal que teima em arranhar teus sonhos e verdades, use tua voz em alto e bom som e grite: Nunca mais!
Lembre-se que és uma gota no oceano infinito, e que nele navegam seus amigos e amigas de batalha.

Regina Vilarinhos


Visitem o Cooperifa - http://www.colecionadordepedras.blogspot.com/

Cartaz Poético

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

O Barão de ITararé disse...

"O homem que se vende recebe sempre mais do que vale.
.
Quem foi mordido de cobra até de minhoca tem medo.
.
Sabendo levá-la, a vida é bem melhor do que a morte.
.
As crianças atingem aos sete anos a idade da razão. Depois disso, começam a praticar toda espécie de loucura, até o juízo final.
.
É mais fácil sustentar dez filhos do que um vício.
.
Diplomata é um homem inteligente que consegue convencer a senhora que, com um casaco de pele, pareceria muito mais gorda.

A esperança é o pão sem manteiga dos desgraçados.
.
Queres conhecer o Inácio, coloca-o num palácio.
.
O mal alheio pesa como um cabelo.

El vivo vive del sonzo y el sonzo, de su trabajo.
.
Há Cadilacs de oitenta cavalos, sem contar com o proprietário.
.
Aquele senhor era tão tímido que até tinha vergonha de proceder honestamente.
.
Desgraça de jacaré são essas bolsas de couro.
.
A primeira ação de despejo de que se tem memória foi a expulsão de Adão e Eva do Paraíso, fundamentada na falta de pagamentos de aluguel e comportamento irregular.
.
Esporte é tudo aquilo que fazemos para deixar de fazer justamente aquilo que deveríamos fazer.
.
Os homens são sempre sinceros. O que acontece, porém, é que às vezes trocam de sinceridade.
.
Quem é mais porco? O porco ou o homem que come o porco?
.
O médico militar é um doutor que examina rigorosamente o soldado para ver se ele está em perfeito estado de saúde para ir morrer no “front”.
.
Adolescência é a idade em que o garoto se recusa a acreditar que um dia ficará cacete como o pai.
.

Máximas e mínimas do Barão de Itararé
Barão de Itararé
Seleção e organização de Afonso Félix de Sousa
Editora Record – 2ª edição, 1986"


Achei isto hoje e achei muito legal....

quarta-feira, 6 de agosto de 2008

Marginal

Os pobres do mundo esperam chegar ao outro lado do rio.
A margem de cá é o desalento.
Uma parca esperança de crescimento,
a vislumbrar a saída.

Toda a pressa do mundo é incapaz
de tirar toda a miséria do mundo.

Senti a fome na poesia.
Não alimentei a tua luta,
nem com o banquete de palavras.

O meu barco não chega à tua margem,
nesse rio de leito largo.

terça-feira, 5 de agosto de 2008

A chave e a senha

Enquanto fico aqui à beira de um poema
passa um mar à minha volta
ouço Baco e letras me provocando
vou colocar no poema tudo o que sinto
deixar as palavras de lado
elas sobem e descem
enjoam meu estômago
de novo na areia o silêncio dói
barcos pássaros redes faróis
garganta sal e sol
guardo dentro dos sonhos meu brinde
jogo para o mar meu corpo
diga ele o que quiser
guardarei o poema
a chave a senha e eu mesma
dentro da garrafa que envio ao horizonte.

regina vilarinhos

De portas abertas para a poesia

De portas abertas para a poesia

‘A Chave e a Senha’, de Regina Vilarinhos, reúne poemas sinceros
e cativantes de uma maneira simples; nem por isso, clichês


Cláudio Alcântara

Certa vez uma de minhas entrevistadas me disse: “Gosto quando você escreve as matérias sobre meus trabalhos, seu texto é jornalístico mas há poesia também no que você escreve”. Não tenho essa pretensão, apenas escrevo o que salta de dentro de mim. Não há como segurar. Simplesmente, e naturalmente, as palavras vão ganhando forma. Outro dia também, uma colega de profissão perguntou se eu “nunca tenho ‘branco’ na hora de começar a escrever uma matéria”, o que de vez em quando acontece com ela. Sinceramente, não. E, talvez, um dos motivos seja o fato de que cresci lendo poemas. A poesia me conquistou cedo e nos tornamos amigos logo de cara. Jornalismo nada tem a ver com poesia, eu sei disso. Mas se é que consigo, de alguma forma, tornar meus textos um tantinho diferentes, devo isso aos poetas. A todos eles.

••••••

Poetas como a gaúcha criada em Volta Redonda, que me presenteou com um de seus “livrinhos”: “A Chave e a Senha - Porção de Poesias de Regina Vilarinhos”. E na dedicatória escreveu assim: “Poesia é abraço na alma!”. Bonito isso.

••••••

Gosto de gostar de poemas dos mais variados. E, às vezes, gosto igualmente de poetas que por um motivo ou outro deixaram de se gostar. Também cultivo o gosto de admirar, e valorizar (e também criticar, quando não gosto), os talentos locais.

••••••

Já entrevistei Fernanda Montenegro e Irene Ravache. Da mesma forma, Claudia Leite e Rita Lee. Profissionalmente, também Martha Rocha e Ed Motta... Assim como os nossos Paulo Rangel e Joca Ottoni. Rodrigo Hallvys e Elisa Carvalho. E tantos e tantos outros. O que quero dizer com isso? Que a vida é como poesia: existem variáveis, mas a essência é a mesma.

••••••

É a essência de Regina que consegui tocar ao ler “A Chave e a Senha”. Ela abre o livreto com verdade banhada em singeleza: “Quando você quebrar seu gelo interior, refresque quem está à sua volta. Poesia, por exemplo”. E é de poesia que me alimentei durante os minutos em que escancarei minhas portas para o que a poetisa tinha a dividir. Em “Pedido”, por exemplo, eu me vi apaixonado. “Fica comigo / Cuidarei das orquídeas, das rosas e do jasmim, / enfeitando o centro do teu peito”.

••••••

Os poemas de Regina têm o dom de nos mostrar aquilo que somos. E de nos entender melhor. São sinceros, como sinceros são os olhares infantis. E cativantes de uma maneira simples. Ela escreveu em “Ausência”: “Estou fraca de mim / busco o meu nos outros. / Perdi o jeito de versos, / ganhei um jeito de blues”.

••••••

Com a poesia aprendi que não, necessariamente, preciso ter a mesma maneira de gostar das outras pessoas. Aquilo que não me toca como arte pode muito bem representar o ideal de Regina, de Luciene Martes, de Picasso, de Neruda... “Quando escolho ter asas, é para poder viajar mais alto e longe, e sentir que posso ter o vento como companhia. O mar visto de cima me emociona”, é o que ela tem a dizer em “Quando Escolho Ter Asas”. Uma escolha difícil, mas necessária.

••••••

Terminado o livro de Regina, eu me senti como um de seus poemas, o “Poeminha de Outono”, que diz assim: “Eu me sinto poeta marrom, / Meus versos caindo de mim como folhas secas. / Em cada pedaço de rima, / Uma infinidade de mim se espalhando no papel. / Beijos feridos que queriam tocar teus lábios / E te encontravam cinza. / Qual a cor que você pode me dar hoje? / Fosse amarelo para minhas cantigas de desejo / Ou vermelho para meus sonetos de amor”.

••••••

Ela tem a chave para quem está trancado por dentro. É só querer abrir."


Coluna publicada na página 4, no caderno "Lazer e & cia", do jornal Diario do Vale, de 05/08/2008.