Páginas

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2008

Aliança




Cheguei até aqui.
Chegamos até agora.
Voei até hoje e sinto, mais que nunca,
tua mão sobre a minha, aquecida, protegida,
as duas de agora em diante enlaçadas.
Entrelaçados estamos, alinhavados nossos rumos.
Meus vestidos, minhas manias, e meus medos.
Teus casacos, teu perfume e tuas dúvidas.
Fechados em armários, cúmplices de nossas noites,
cantigas embaladas com os amigos.
Teus olhos indicarão meu horizonte,
em meus braços ninarei a tua esperança.
Nada mais nos divide, a luz de nosso amor se reflete
através de nossos corações.
E assim somando, multiplicaremos.
Seremos um todo, para sempre.

regina vilarinhos

poema feito para Lúcio e Regina - 2007

Caminhos




Percorro os caminhos que teu olhar me ensina.
Partindo deles, anseio encontrar o nosso paraíso.
regina vilarinhos




ouvindo "You´re still the one" - Shanaia Twain

Sem medo de ser feliz!




Este texto eu recebi hoje por e-mail, não sei o autor e se alguem souber me fale. O resto mais embaixo é meu mesmo.


"A derrota aconteceu, e nos deu a sensação de que tudo foi em vão. Realmente, parece que tudo está perdido, que acabou. Agora, eu pergunto: quantas vezes já não pensamos assim?!

Nas décadas de 70 e 80, vivemos decepções, perdemos nossa sede (hoje recuperada), chegamos até a ficar 21 anos sem título, vimos a menina Sônia chorar. E a torcida? Tinha uma faixa "Campeão ou não, és minha paixão". E em 1993? Depois de perder uma decisão, ficamos sem time, sem jogadores. E fomos nos recuperando, até conquistar, para surpresa geral, a Conmebol! Com o Maracanã entupido de gente, os portões tiveram de ser abertos! E em 2002? Nenzão, Cléberson, Odvan, Galeano, Rubens Junior, Esquerdinha, Lucio Bala e Ademilson, entre outros, escreveram a grotesca página do rebaixamento. E a torcida? Decepcionou-se, mas no ano seguinte lotou Caio Martins sempre e ajudou a trazer o time de volta à elite, sem precisar de virada de mesa! E em 2004? Quantos não decretaram um novo rebaixamento após perdermos para o Corinthians, em casa? Lembram-se da torcida quebrando tudo e xingando o Bebeto, enquanto ele apenas ouvia e nada falava? E o time se superou e não caiu!

O quero dizer com isso? Simples. Basta ouvirmos "E ninguém cala esse nosso amor, e é por isso que eu canto assim, é por ti, Fogo" ou "Momentos ruins eu já vivi, mas nunca parei de cantar, e esse fogo no meu peito, que nunca vai se apagar" que compreendemos. Nada vem fácil para o Botafogo, acho que todos já estamos acostumados com isso (tem coisas que só acontecem...) . E, apesar disso, a torcida sempre está lá, fazendo seu show! Não sei se felizmente ou infelizmente, mas ser botafoguense é assim, é ter os sentimentos multiplicados por mil, é ter uma aptidão pelo sofrimento, pelo pessimismo. É ser supersticioso, é ser diferente, único! Não adianta querer ser igual aos molambos, que promovem barraco sempre, ou aos tricoletes, que não vão aos jogos e pouco incentivam seu time. Sempre apoiamos nos momentos ruins e é o que devemos fazer agora! Não pelos Cavaleiros do Fracasso, que perderam uma grande chance na vida deles, e sim pelo Fogão! Pelo clube que amamos, que vivemos, com o qual nos identificamos e que levamos para todos os cantos, pois não há botafoguense que consiga ficar indiferente ao clube, ao contrário dos torcedores dos outros."



Sem percerber, eu me vejo discutindo o dia seguinte da decisão com um monte de Flamenguistas no meu trabalho. É, eu mudei mesmo. Se me falassem isso há alguns anos atrás eu não acreditaria. Mas desde que me entendo Botafoguense, isso começou a tomar conta de minhas segundas-feiras. Falar de juiz, de técnico, de jogador não fazia parte de minha adolescência e ´começo da fase "adulta". Acho que voltei no tempo e o Botafogo deve ser culpado disso. Sinto uma inveja danada de quem pode acompanhar os grandes jogos com o Garrincha. E sinto saudade de rever os jogos com o Túlio.

Mas enfim,estamos aí. Só quero deixar aqui a lembrança de grandes botafoguenses que fizeram muita gente aprender a gostar de poesia e leitura: (deve ser por isso que o Botafogo e eu nos aproximamos)Vinícus de Moraes, Fernando Sabino, Candido Mendes, Murilo Mendes e mais outros tantos. Uma boa imagem fala mais que tudo! Essa estrela é um grande charme!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

Tentativa do soneto de amor

Quem inventou esta coisa de ansiedade?!
Quem disse que é preciso sentir saudade?
Nunca imaginei que meu medo iria virar realidade.

O vendaval na alma sumiu.
Virou sonho e magia garantida desde que
dele, o sorriso fechou a ferida.

Nas noites de poesia, no ponteiro do meu coração,
a lua mandou minha mensagem.
A hora é sempre certa, madrugada fria ou não,
ele chega em sua carruagem.

Cavaleiro, príncipe e menino,
que tinge minha pele com mel,
que espreita meu prazer como um felino
e joga minha vida num carrossel.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2008

Overmundo

Tá lá na capa do Overmundo: http://www.overmundo.com.br/home/ o poema "História de amor de Copacabana à Santa Tereza".

Não é necessário explicar nada, é só entrar e verificar como funciona o site. Ninguém paga nada, todos colaboram e todos saem ganhando. O poder de escolha é dos colaboradores de todo o país.



"Sobre o Overmundo

O Overmundo é um site colaborativo. Um coletivo virtual. Seu objetivo é servir de canal de expressão para a produção cultural do Brasil e de comunidades de brasileiros espalhadas pelo mundo afora tornar-se visível em toda sua diversidade. Para funcionar, ele precisa da comunidade de usuários sempre gerando conteúdos, votando, disponibilizando músicas, filmes, textos, comentando tudo e trocando informações de modo permanente.

Com este horizonte fundamental, o Overmundo foi concebido e é realizado pelo Núcleo de Idéias Movimento, baseado no Rio de Janeiro, contando para tanto com o patrocínio da Petrobras, por meio do Programa Petrobras Cultural e dos mecanismos de incentivo fiscal do Programa Nacional de Apoio à Cultura / Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet), do Ministério da Cultura. A partir de então, seu desenvolvimento contou e conta também com a participação de colaboradores espalhados por todos os estados brasileiros formando uma rede de animação e informação cultural em constante expansão pela própria emergência de novos integrantes ativos da comunidade de usuários do Overmundo.

Na raiz do envolvimento de todos esses atores com o projeto - e da vitalidade dessa rede - está a motivação comum de atacar de frente um grave problema do atual cenário cultural brasileiro: a produção é cada vez maior, mas só uma mínima parcela do que é produzido consegue ser divulgada ou distribuída para o público. Aproveitando todas as possibilidades colaborativas da internet, o Overmundo propõe uma nova forma de gerar conhecimento sobre as múltiplas vertentes de nossa arte contemporânea, na qual não é mais possível estabelecer fronteiras claras entre produtores, divulgadores e consumidores de cultura.

Não por acaso o Overmundo adota como política geral de publicação uma licença Creative Commons (veja o link "Alguns Direitos Reservados" no final da página para entender melhor como ela funciona). Ao disponibilizar qualquer conteúdo no site, você está automaticamente licenciando seu conteúdo sob essa licença Creative Commons. Assim, toda a sociedade se beneficia do fato de que pode livremente compartilhar o que está no site, desde que seja para fins não-comerciais. Conseqüentemente, por exemplo, rádios comunitárias, escolas, pontos de cultura e quaisquer outras iniciativas não-comerciais estarão previamente autorizadas a utilizar os conteúdos do Overmundo.

Nenhuma equipe de jornalistas, não importa seu tamanho ou competência, consegue cobrir ou filtrar a quantidade cada vez maior de coisas importantes que acontecem pelo país. Por outro lado, vitoriosos projetos online, como a multiplicação dos blogs e da Wikipedia, sugerem um outro caminho para lidar com esse enorme acúmulo de informação cultural, com cada vez maior descentralização. Seguindo esses exemplos, lançamos o desafio: todo(a) cidadã(o) brasileiro pode aqui contribuir para promover todos os aspectos da nossa produção cultural que lhe interessem. O Overmundo, por uma questão de princípios, não funcionará sem a colaboração de muita gente. Quanto mais, melhor.

O Overmundo precisa portanto de comunidades virtuais e reais de todo o país para espalhar a boa nova e encontrar mais gente disposta a colaborar. Sua banda preferida ou seu vídeo preferido, produzidos na sua cidade, não têm espaço na grande mídia? Agora não precisa mais reclamar: você pode escrever sobre eles no Overmundo e diponibilizar suas criações no site para todo mundo ver e ouvir. Qualquer pessoa é um overmano ou overmina em potencial dentro do Overmundo. É só querer: o canal está aberto.

No Overmundo você também encontra um guia das cidades do Brasil, aberto para todo mundo colaborar. Lá dá para falar, por exemplo, de todas as festas brasileiras, do baile funk de Pelotas ao marabaixo de Macapá. A idéia é permitir que todas as turmas possam divulgar que acham importante ser conhecido por mais gente, aquilo que ninguém a não ser quem é muito "local" sabe que existe.

Nada disso é trabalho para uma pessoa, ou mesmo para um grupo pequeno de autores - ninguém consegue saber tanta coisa, ninguém consegue estar em tantos lugares ao mesmo tempo. Essas tarefas só se tornam viáveis a partir de mutirões virtuais. E o Overmundo está aqui para juntar todo mundo para fazer aquilo que é bom para todo mundo. Simples assim."

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

Quando escolho ter asas

Quando escolho ter asas, é para poder viajar mais alto e longe,
e sentir que posso ter o vento como companhia.
O mar visto de cima me emociona...