Páginas

quinta-feira, 15 de novembro de 2007

De alma lavada


Busquei na estante as fotos e a alegria,
na gaveta, a blusa e o cheiro,
na fruteira, o sabor,
no fogão, o tempero.
Lambi nos dedos o chantily,
nos lábios a maresia.

Abri os armários, entrou a luz,
entrou o vento, entraram as borboletas.
Lavada e linda de usar,
pendurei minh´alma.

Pintei as paredes da cor do sim
E jurei, de novo, jamais amar assim.

Um comentário:

  1. que gracinha!
    imagem e texto dialogando tão lindamente como numa valsa!

    bjs pra vc
    cintia

    ResponderExcluir