Páginas

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Ataque

No canto do galo, tomaram a rua,
mochilas pesadas, cabeças em brasa,
o que pesava era a alma,
o peito, descompassava.

Sumiram na neblina, cinco para o norte,
seis para o sul, dois no leste.
No comando, de dentro da van,
o mais forte.

Lá no campanário, pronto.
Também na torre, no alto do morro,
faltavam dois.

Porteiro abriu o prédio.
Roleta, elevador, hall,
janela.

Mochilas abertas.

Elas voavam, muitas,
milhares delas, caiam
sobre as árvores, nos outros prédios,
sobre as cabeças.

De todas as cores, tamanhos
e leves,
elas, as poesias.

Nenhum comentário:

Postar um comentário