Páginas

segunda-feira, 12 de janeiro de 2009

A visão do mundo

Do site colecionador de pedras, da cooperifa, do sergio vaz




"POETA AUGUSTO
.
A VISÃO DO MUNDO D´US MEUS PLANU
QUA PAZ DUS JUDEU E D´US MULÇUMANU
( di acordo qua nova regra ortografia dus sertanêjo) - por Augusto
.

Fico vendo essas cena
di dá nó n´us intistino:
Bomba invadindo escola,
matando minina e mininu.
E us judeu picando bala
pra cima dus palestino.
No século vinte e um
us hômi inda num intendeu
que num importa a cô da pele,
si é palestino ou judeu...
A missaõ é evoluir a mente,
preservando o sopro di Deus.
Pru qui o sopro da vida
num ta valend´um rial.
Essa treta na faxa di gaza
é uma coisa imoral!
Tô cansado di vê anjinho
lá na banca di jornal.
Mas com´eu num apito em nada,
nem na guerra e nem no amô,
resorvi ixplorá um tikin
meus dote de rimadô
e formar um mundo novo
onde num reinasse a dô.
Nesse mundo us judeu
era "assim" qus mulçumano.
O Kassab e a PM
corria junto qus mano.
Fim di mês ia sê festa
como é no fim di ano.
Todo mundo ia di bike
(essa idéia eu rôbei da Soninha)
Pro trânsito e pra poluição
já seria o fim da linha.
E a moeda correnti
ia sê umas plantinha.
Dinhêro flureceria
dentro de qualquer cercado.
Cê trocava suas plantinha
por rango, no supermercado.
E a meta desses seria
dexá meu mundo reflorestado.
Ia tê uma só lingua.
Fronteiras seriam banidas.
A vida, assim dessa forma,
seria bem mais divertida.
E prometo que a faxa di gaza
iria sê istindida.
Ia eu pr´aquelas banda
pra dá fim nesse perreio.
Num ia tê hômi-bamba,
Hesbolá, nem bombardeio;
pegava a faxa di terra
e dividia meio a meio.
Mas claro; isso é devaneio...
Não custa nada sonhá!
E espero que o sonho da paz
possa sempre si ploriferá.
Si não eu num sei si esse mundo
vai chegá n´algum lugá.
Essas rima pobre eu fiz
pensando num mundo mudado.
A guerra no Rio e em Angola
tem qui sê cousa do passado.
Vamu para q´uéssa merda
di "cada um no seu quadrado".
Vou ficando por aqui,
me desculpando pelos impropério
de tratá, assim do meu jeito,
de um assunto tão sério.
E desejando que a paz entri us hômi
num seji ninhum mistério."

Um comentário: