Páginas

domingo, 14 de junho de 2009

As cinzas das horas e a hora colorida

Passei o feriado com chuva. Dentro de casa e só dormindo. Pessoas que a gente nem imagina vem em nossas mentes em dia de feriado com chuva. O cinza do céu faz a memória procurar por rostos tão distantes. Fora a dor de cabeça que amanheceu teimando em me judiar. Tudo por conta da friagem e da sinusite.

Fui no Macedo Soares, passei pelo Grupo Rio Grande do Norte e cheguei no Rosário. Parece que a capela está fechada. Os morcegos quietinhos, pedindo pro dia acabar em noite. A irmã Maria Luiza nos pergunta o que fazemos fora de sala. "Nada não, madre. Vim beber água!", respondo com a voz medrosa. Voltei.

A chuva atrapalhou meus planos de ir fazer tapetes na Santa Cecília. A sinusite agradece. O jeito é procurar o Chico, o Manoel, o Borges, e talvez o Carlos. Chega a noite e o "dia dos namorados" começa a acenar. Continuarei com todos eles e mais o Othon.

Sexta-feira, frio e gotas do céu, de novo. Gosto, não nego. Mas ficar sozinha no frio é pra quem tá se bastando. E eu, definitivamente, não estou. O Toninho dá uma força, com suas mãos mágicas capricha no corte do cabelo. Os amigos que citei antes continuam lá na estante e eu doida para ouvi-los. Começo pelo "Leite Derramado" e depois passo para "Reunião".

E o sábado, que posso pedir dele? Só que tenha vaga na manicure, para completar minha autoestima por hoje. Então, passo para o "Aleph", depois de tentar pensar vendo televisão. E vamos prepara aula, atualizar diário e pensar "podia ser pior!"

Enfim o domingo. A feira colorida me alegra, o sol quente me anima de novo, o cheiro do frango na padaria me apetece. As coisas não são necessariamente nessa ordem, sei que estão ali todos os domingos. O cheiro de lavanda barata no cara que passa mexendo com uma ruiva à minha frente, as vitrines da Rua 16, com tantas mocinhas e moçonas admirando-as. O jornaleiro, o carrinho de feira, o abraço em uma amiga que passa correndo. A pulsação da Vila, era disto que estava precisando para me sentir pertencida, sempre, à esta cidade.

regina vilarinhos

3 comentários:

  1. amei seu texto, perfeito e nos detalhes!
    eu tb passei meu feriado igualzinho ao seu... rsrsr! a única diferença é que meu "cobertor de orelha" ficou quase todas as noites comigo, só não foram todas porque minha concorrente não deixou: a csn...
    bjs!

    ResponderExcluir
  2. ...lindo mesmo!!!
    como sempre e cada vez melhor!!!
    ah!!! Sou Eu?! rsrsrs...
    Amiga que passou correndo...
    Serei SEMPRE!!!
    bjs
    Chryz

    ResponderExcluir